Cidade do México

Turismo na Cidade do México: dicas para organizar o seu roteiro

Cidade mais populosa do México e de toda a América do Norte, a Cidade do México é aquela metrópole vibrante e cheia de história. A antiga capital do Império Asteca é hoje uma cidade que guarda traços do passado em meio às construções modernas e trânsito caótico.

Quando compramos as passagens para o México, tínhamos apenas 8 dias de folga e queríamos muito conhecer a capital do país e as Islas Marietas. Então separamos 6 dias para a Cidade do México e 2 dias para Puerto Vallarta, de onde partiríamos para o passeio pelas ilhas.

Achei que 6 dias seriam mais que necessários para conhecer a Cidade do México e fazer alguns passeios de bate e volta. Grande engano!

Quando vi a quantidade de coisas que tinha para fazer por lá, tirei um dos programas do roteiro, e ficamos com 4 dias inteiros somente para Cidade do México. Acredita que mesmo assim a viagem foi super corrida e não conseguimos conhecer tudo o que gostaríamos?

Se você gosta de história e arte, pode ter certeza de que precisará de pelo menos 5 dias inteiros para ver o básico da Cidade do México e, se quiser conhecer algumas cidades próximas, adicione mais uns 2 ou 3 dias.

Após ler esse post, você entenderá o motivo 😉

⚠️A Cidade do México é ENORME, sendo impossível visitar os seus principais pontos turísticos apenas andando. Pode apostar no metrô e no Uber!

Para facilitar a organização do seu roteiro, marcamos no mapa abaixo (em vermelho) as atrações turísticas que conhecemos durante os 4 dias que passamos por lá – os outros 2 dias foram exclusivos para os passeios de bate e volta.

Os locais marcados em azul são alguns bairros considerados mais seguros durante a noite e com boas opções de hotéis.

Listaremos abaixo os principais pontos turísticos da Cidade do México e indicaremos os valores que pagamos na época da nossa visita para que você tenha uma ideia.

Todos os valores estarão indicados na moeda local – peso mexicano – e você poderá consultar algum conversor online para ter uma noção de quanto o valor representa na nossa moeda.

Para informações sobre horários de funcionamento e valores atualizados, sugerimos que visite os sites oficiais de cada uma das atrações.

O que visitar na Cidade do México

São tantos lugares para se conhecer que é impossível citar todos aqui, mesmo porque nem chegamos a visitar tudo o que planejávamos por falta de tempo.

Veja as atrações mais visitadas na cidade:

#Zócalo

Praça da Constituição, conhecida como Zócalo, é a principal praça da cidade e uma das maiores do mundo. Localizada no coração da metrópole, ela tem uma importância histórica sem igual: era o centro político e religioso de Tenochtitlán, a capital do Império Asteca, hoje chamada de Cidade do México.

Vale a pena visitá-la não só pela sua importância histórica, mas também para ser o ponto de partida do seu roteiro turístico na Cidade do México, já que ela está próxima de importantes atrações turísticas, como a Catedral Metropolitana e o Templo Mayor.

Zócalo

A Praça da Constituição tomada pelos toldos e a Catedral Metropolitana ao fundo

Durante os dias que passamos na cidade, a praça estava completamente tomada por toldos onde foram montados diversos stands. No local, vendiam artesanatos, plantas, comidas típicas, dentre outros.

#Catedral Metropolitana de la Ciudad de México

Principal igreja da cidade, é uma das catedrais mais antigas de todo o continente americano, sendo o ícone do domínio espanhol no México.

A catedral foi construída em uma posição de superioridade em face dos templos astecas, adorados por aqueles que habitavam a cidade antes da chegada dos espanhóis.

A construção da igreja durou mais de 200 anos, guardando diferentes estilos arquitetônicos: barroco, neoclássico e renascentista.

Catedral Metropolitana da Cidade do México

A imponente catedral

Interior da Catedral Metropolitana México

Seu interior e o lindo órgão

Cidade do México Catedral Metropolitana

Fachada do Tabernáculo no estilo barroco

Sem dúvida que é uma edificação impressionante, não só pelo seu tamanho, como também pelos inúmeros detalhes por dentro e por fora.

A entrada é gratuita e há avisos aos visitantes de que é proibido fazer barulho, tirar fotos com flash, usar bonés/chapéus, shorts curtos e camisas decotadas no interior da catedral.

#Templo Mayor

A poucos metros da Catedral Metropolitana, encontraremos as ruínas do Templo Mayor, considerado um dos principais templos astecas de Tenochtitlán, onde eram realizados rituais importantes dedicados aos deuses, a nomeação dos líderes e os funerais da nobreza.

Construído no século XIV, o Templo Mayor foi dedicado a Huitzilopochtli, o deus da guerra, e a Tlaloc, o deus da chuva. A sua estrutura foi edificada em várias etapas e há diferentes teorias acerca da construção.

Uma hipótese seria de que o templo foi sendo reedificado à medida que o domínio mexicano aumentava.

Por outro lado, há indícios de que a cidade sofreu bastante com terremotos e inundações, obrigando os mexicanos a renivelarem  as construções. E ainda hoje é bem fácil notar o desnivelamento dos edifícios ao seu redor.

Quando estiver visitando o Templo Mayor, observe como os prédios nas redondezas são inclinados.

ruínas do Templo Mayor

Escadas da pirâmide do Templo Mayor

Após a queda de Tenochtitlán, em 1521, o Templo Mayor foi destruído quase que na sua totalidade e no seu local foi construída a casa de dois conquistadores, os irmãos Ávila.

No entanto, os irmãos foram sentenciados à morte e decapitados posteriormente, sendo que o terreno onde estava situado o Templo Mayor foi coberto de sal.

O local ficou abandonado durante muitos anos, tendo sido utilizado até mesmo como um depósito de lixo.

Altar Tzompantli

O Altar Tzompantli decorado com crânios de pedra

Somente no final da década de 70 realizaram as escavações no sítio arqueológico e encontraram diversas relíquias do período pré-colombiano.

Uma década depois, criaram o Museo del Templo Mayor, que reúne uma vasta coleção do que foi encontrado durante as escavações.

Coyolxauhqui

Coyolxauhqui, a deusa da lua

Acervo do Museo del Templo Mayor

Acervo do Museo del Templo Mayor – a última foto no canto inferior direito é uma maquete de como seria o templo e todos os seus níveis 

É o tipo de local essencial para termos noção da grandiosidade do Império Asteca e até mesmo para nos orientar a uma posterior visita às Pirâmides de Teotihuacán, que tem uma história muito anterior a dos astecas.

É um passeio e tanto, enriquecendo, e muito, a sua visita à Cidade do México!

💰Valor na época da nossa viagem: 70 pesos mexicanos

#Torre Latinoamericana

Construída em meados do século XX, a Torre Latinoamericana foi o primeiro arranha-céu do México com 181,33 metros de altura, sendo considerado o primeiro grande arranha-céu do mundo construído com sucesso em uma zona sísmica altamente ativa.

Para se ter uma ideia, a torre resistiu a terremotos intensos, como o de 1985, com o registro de 8.1 na escala Richter, e o terremoto de 2007, tendo suportado um tremor de 6.3 graus na escala Richter.

Torre Latinoamericana de noite

A torre vista da Avenida Francisco Madero

Torre Latinoamericana de dia

A torre vista da Avenida Juárez

A torre pode ser vista de diferentes pontos do centro e é possível subir no seu mirante no 44º andar, de onde temos uma vista panorâmica de 360 graus da imensa cidade e de diversos pontos importantes da capital.

No dia da nossa visita, o mirante do 44º andar estava fechado para reformas e só tivemos acesso à vista de um dos  andares um pouco abaixo do mirante (acho que foi no 42º andar), onde havia janelões de vidro de todos os lados.

Torre Latinoamericana na Cidade do México

Gosto muito desse tipo de atração para ter ideia da dimensão de uma cidade, mas neste caso especificamente, ficamos um pouco frustrados não só pelo seu valor, que era superior a dos museus mais importantes da capital, como também pelo fato de não termos tido acesso ao andar mais alto.

Enquanto os museus e até mesmo a zona arqueológica de Teotihuacán custavam na faixa dos 70 pesos, a entrada para a torre era mais cara sem nem mesmo termos acesso ao mirante principal.

💰Valor na época da nossa viagem: 100 pesos mexicanos

#Palacio de Bellas Artes

Bem pertinho da Torre Latinoamericana está localizado o Palacio de Bellas Artes, uma construção belíssima que é o teatro de ópera mais importante da Cidade do México.

Se você observar na montagem de fotos acima, verá o palácio visto do alto.

O que mais nos impressionou foi o excelente estado de conservação não só do edifício quanto de todo o seu redor.

Além do piso limpíssimo em sua volta, há uma área verde do lado do prédio super bem cuidada. Sem dúvida que vale muito a pena conhecer o palácio e todo o seu redor, principalmente aos domingos, quando muitos mexicanos se reúnem pelo local.

Palacio de Bellas Artes Cidade do Mexico

Dentro do palácio há dois museus: o Museo del Palacio de Bellas Artes e o Museo Nacional de Arquitectura.

O Museo del Palacio de Bellas Artes exibe 17 murais de sete artistas nacionais que foram feitos entre 1928 e 1936, além das exposições temporárias.

💰Valor na época da nossa viagem: 60 pesos mexicanos

#Museo Memoria y Tolerancia

Inaugurado em 2010, esse museu busca promover o respeito à diversidade e tolerância baseada na memória histórica, expondo aos visitantes dados, imagens e vídeos acerca dos genocídios que ocorreram no mundo.

Não é um museu sobre a história do México, mas sobre a pior parte da história do mundo.

Museo Memoria y Tolerancia

Os assuntos são tão bem abordados que prendem o visitante do começo ao fim. As exposições são divididas em sete salas principais:

  • Holocausto
  • Ex-Iugoslávia
  • Camboja
  • Ruanda
  • Guatemala
  • Sudão
  • Corte Penal Internacional

Nós adoramos o Museo Memoria y Tolerancia, não só porque gostamos de história e estivemos em alguns dos locais onde aconteceram tais genocídios, mas também porque os temas são muito bem apresentados, principalmente o do Holocausto.

Em breve, escrevemos um post específico sobre o museu!

💰Valor na época da nossa viagem: 75 pesos mexicanos

#Monumento a la Revolución Mexicana

O Monumento a la Revolución Mexicana é um mausoléu dedicado à Revolução Mexicana ocorrida em 1910, considerado o acontecimento político e social mais importante da história do México durante o século XX.

É possível fazer uma visita para conhecer o monumento, passeando pela sua estrutura e tendo acesso ao deck de observação. No entanto, quando estivemos no local, esse passeio não estava sendo realizado.

Monumento a la revolución Mexicana

O Monumento a la Revolución Mexicana

Embaixo do monumento, há um museu chamado Museo Nacional de la Revolución. Nele, entendemos como se deu o início da construção do que hoje é o monumento, que era para ser o Palácio Legislativo. O projeto era de construir um palácio imenso, que estaria entre os maiores do mundo. Após gastarem mundos e fundos, o projeto original não saiu do papel e acabaram construindo o monumento que está até hoje no local.

Dentro do museu aprendemos sobre a história do México, em uma exibição que aborda o período de 63 anos entre 1857 a 1920, abrangendo a promulgação da constituição de 1857, as figuras chaves da Revolução Mexicana e todo o período revolucionário.

Museo Nacional de la Revolución

Acima: estátuas dos revolucionários e a Constituição Mexicana de 1917; Abaixo: ilustração mostra a disputa territorial entre EUA e México e os territórios perdidos pelos mexicanos, roupas usadas pelos revolucionários e a bandeira do exército libertador

💰Valor na época da nossa viagem: 30 pesos mexicanos

#Plaza Garibaldi

Localizada no centro histórico da Cidade do México, a Plaza Garibaldi é uma das praças históricas da capital. Quando estávamos organizando a viagem, procuramos por hotéis com valores acessíveis e, de preferência, próximos às principais atrações.

Após muita procura, resolvemos ficar hospedados em um hotel na Plaza Garibaldi. O que não esperávamos é que a praça fosse local de encontro dos mariachis durante as noites.

Mariachi é um gênero musical mexicano e o termo também utilizado para se referir aos grupos musicais que cantam canções típicas mexicanas e usam roupas super tradicionais em suas apresentações. Embora a sua maioria seja homem, vimos mulheres também se apresentando em alguns grupos.

No primeiro dia na cidade, passamos boa parte dele passeando e, quando voltamos ao hotel, vimos uma grande concentração de pessoas na praça e muita música tocando.

Quando chegamos mais perto foi que percebemos a grande quantidade de maricahis espalhados pelo local e muitos turistas concentrados em volta de alguns grupos.

Não posso negar que a coisa estava tão animada na praça, que decidimos ficar um tempinho por lá. Detalhe que nos dias seguintes a gente sempre parava para ouvir uma musiquinha antes de voltar ao hotel.

#Mercado la Merced

Quem não abre mão de conhecer um mercadão, a nossa sugestão é que conheça o Mercado la Merced, um mercado público tradicional localizado mais ou menos próximo do centro histórico.

No local, você encontrará um pouco de tudo: frutas, verduras temperos, carnes, roupas, eletrônicos e muitas outras coisas que você possa imaginar.

É um lugar interessante para sair um pouco do turismo ostensivo e conhecer a variedade de produtos vendidos no país. Por outro lado, o mercado é desorganizado e há muita sujeira dentro e fora dele. Por isso, acredito que valha a pena para aquelas pessoas que não abrem mão de visitar esse tipo de local.

Muita atenção apenas nos entornos, pois o ambiente nos pareceu bem estranho, como se a exploração sexual fosse bem intensa, mesmo durante o dia.

#Paseo de la Reforma

Construída no século XIX, essa importante avenida de 12km de comprimento é o centro financeiro da Cidade do México, onde monumentos históricos se misturam com edifícios modernos.

Em um certo ponto, chega-se ao monumento chamado El Ángel de la Independencia, construído em 1910 e que homenageia o centenário da independência do México do domínio espanhol.

El Ángel de la Independencia

O monumento El Ángel de la Independencia

A avenida passa perto de atrações no centro histórico e também pelo Bosque de Chapultepec, onde está localizado o Castelo de Chapultepec e o Museu Nacional de Antropologia.

É uma avenida bem tranquila para caminhar, visto que as calçadas são largas, limpas e em excelentes condições.

#Castillo de Chapultepec

Localizado dentro do Parque de Chapultepec, o palácio, que leva o mesmo nome, foi construído para ser residência de verão do vice-rei espanhol no México, Bernardo de Gálvez.

O castelo foi construída na colina do chapulín (gafanhoto), daí o seu nome Chapultepec, que significa “colina do gafanhoto”.

Antes mesmo de chegar ao palácio em si, passamos por uma área muito arborizada que faz parte do parque e é comum ver um monte de esquilos que habitam a área.

Passamos por uma primeira portaria, onde havia um guarda volumes para deixarmos sacolas e mochilas caso tivéssemos comidas ou bebidas dentro.

Castelo Chapultepec México

O castelo no alto da colina

Andamos pelo caminho que leva até o castelo e chegamos ao guichê de compra de ingressos e uma segunda portaria, dessa vez para inspeção de bolsas e mochilas e entrada no castelo. Nesse segundo local, tivemos que deixar o bastão da GoPro para pegarmos ao final da visita, pois não é permitido entrar com nenhum tipo de tripé.

O castelo abriga o Museo Nacional de Historia, com um acervo que retrata a história mexicana desde o domínio espanhol, a guerra pela independência e a Revolução Mexicana.

É uma construção imponente, e os visitantes podem conhecer suas diversas salas e ver objetos, pinturas e vitrais que retratam a história do país, além de seus impecáveis jardins. Vale muito a pena!

Castillo Chapultepec

Dentro e fora do Castelo de Chapultepec

💰Valor na época da nossa viagem: 70 pesos mexicanos

#Museo Nacional de Antropología

Se tem uma atração que não pode ficar de fora no roteiro da Cidade do México é justamente o Museo Nacional de Antropología, o maior e mais visitado museu de todo o país.

Sua vasta coleção retrata o período pré-colombiano, com seus diversos artefatos antropológicos e arqueológicos. Dentre as peças maior destaque está a Pedra do Sol, uma pedra imensa que era utilizada pelos astecas como calendário baseado no ano solar.

Pedra do Sol

Estátuas de deuses de Coxcatlán na frente e a Pedra do Sol ao fundo

O museu tem um acervo riquíssimo que explica sobre as mudanças e adaptações que ajudaram a desenvolver as características físicas, sociais e culturais do ser humano; o povoamento da América; os povos e culturas antes da chegada dos espanhóis ao continente americano, com um enfoque na área conhecida como Mesoámerica; as culturas Maias; os povos de Oaxaca e Tenochtitlán, dentre outros.

Museo Nacional de Antropologia

Algumas peças do acervo, como os hieróglifos maias, a Piedra de Tízoc, a Cabeza colosal Olmeca, a máscara do guerreiro Malinaltepec, o detalhe na reconstituição do templo de serpentes de penas e a estátua de um guerreiro tolteca

Sem dúvida que é o local que merece mais tempo que qualquer outro na Cidade do México. A duração da visita dentro do museu dependerá da curiosidade e interesse de cada um, mas pode reservar pelo menos 2 horas só para ele e verá que poderá facilmente passar mais o dobro do tempo planejado.

💰Valor na época da nossa viagem: 70 pesos mexicanos

#Museo Frida Khalo

Pense em um lugar que superou as nossas expectativas!

O Museo Frida Khalo, conhecido como a Casa Azul, foi o local onde a pintora mexicana nasceu e morreu, um lugar que guarda uma história triste e ao mesmo tempo intrigante sobre a vida da artista.

A sua vida foi marcada por tragédias, tendo sido acometida com a poliomielite, depois sofreu um acidente que tirou a sua capacidade reprodutiva e passou por um casamento turbulento com o também pintor Diego Rivera.

A vida amorosa de Frida foi bastante movimentada, a artista, apesar de casada, manteve vários relacionamentos, com homens e mulheres, tendo, inclusive, um caso com o soviético Leon Trotsky.

Na visita à casa, podemos ver suas obras, fotos, objetos pessoais, suas roupas e frases da artista. Tivemos acesso aos jardins, sala de jantar, a lindíssima cozinha, o estúdio onde ela trabalhava e seu quarto.

“Pies para qué los quiero si tengo alas pa’ volar”. (Frida Kahlo)

Museo Frida Khalo

Antes desse passeio, eu não tinha grandes conhecimentos sobre a vida e obras de Frida Khalo, mas saí completamente encantada com sua autenticidade e cabeça à frente do tempo.

As vendas de ingressos para o museu são limitadas por horários e por isso recomendo que garanta o seu antecipadamente, pois as filas do lado de fora da casa são longas.

  • É necessário pagar um valor a mais para poder tirar fotos no interior da casa;
  • O ingresso para a Casa de Frida Khalo dá direito à entrada também na Casa de Diego Rivera.

💰Valor na época da nossa viagem: 130 pesos mexicanos

#Casa de Trotsky

Inimigo de Stalin, Leon Trotsky era um marxista revolucionário que foi expulso da União Soviética e exilado em alguns países, sendo o México o seu destino final.

Durante a sua estadia no país, morou na casa de Diego Rivera e posteriormente na casa de Frida Khalo, com quem teve um relacionamento amoroso. Depois fixou-se em uma casa com a sua esposa Natalia Sedova, onde residiram de abril de 1939 até agosto de 1940, quando foi assassinado.

Fizemos uma visita guiada dentro do museu onde vimos diversas fotos, aprendemos sobre a história de vida de Trotsky e conhecemos os interior de sua casa, inclusive o local exato onde ele foi assassinado com um golpe de picareta na cabeça por um agente de Stalin.

Túmulo de Trotsky

O túmulo de Trotsky no jardim de sua casa

Visitar a casa de Trotsky é aprender um pouco da história do movimento comunista no México e sua dicotomia entre apoiadores e opositores de Stalin.

💰Valor na época da nossa viagem: 40 pesos mexicanos

#Outros bairros da Cidade do México

Os bairros considerados mais seguros na Cidade do México são: Condesa, Zona Rosa, Roma e Polanco.

São bairros de classe média e alta, recomendados para compras, hospedagem e vida noturna (todos estão marcados no mapa com pins azuis).

Veja algumas opções de hospedagens em cada bairro:

✔️ Hotéis no bairro Condesa

✔️ Hotéis na Zona Rosa

✔️ Hotéis no bairro Roma

✔️ Hotéis no bairro Polanco

A Cidade do México me encantou de uma forma inexplicável, me surpreendendo a cada dia que passei por lá; me mostrando que aquele lugar que nem estava no topo da lista dos que mais queria visitar acabou virando a queridinha das Américas. Sem dúvidas que pretendo voltar à Cidade do México.

Não importa quantos dias você colocará no roteiro, sempre faltará ver alguma coisa nessa cidade pulsante!

Leia também:

Organize sua viagem com a gente:

🏥 Imprevistos podem acontecer e nada melhor do que ter uma boa assistência médica no exterior caso seja necessário. Faça a contratação com a gente e escolha o melhor seguro para as suas necessidades – utilize o cupom de desconto exclusivo para leitores do blog! Digite: PROJETO1015 ao final da contratação.

🏢 Reserve seu hotel agora através do nosso link de afiliado do Booking.com. Algumas reservas podem ser canceláveis – verifique as regras antes de efetuar a sua. Você não paga nada a mais e ainda ajuda o Projeto 101 Países!

📱Saia do Brasil com um chip internacional que tem cobertura em até 140 países! Você recebe o seu chip da Easysim4u em casa e viaja conectado.

🚘 Alugue um carro pagando em reais e sem a incidência de IOF. Faça uma comparação dos valores de aluguel de carro pelo mundo com a Rentcars e escolha a melhor opção para você.

💵 Faça uma cotação de moeda estrangeira, encontre as melhores taxas de câmbio e compre euro, dólar, libra e outras moedas estrangeiras aqui.

Cada vez que você contrata algum desses serviços por aqui, você está ajudando a manter o nosso blog. Gostou das informações encontradas aqui e elas estão lhe ajudando a programar a sua viagem? Que tal dar uma ajudinha?

Não vai viajar agora, mas gostou do que encontrou aqui? Faça um comentário aqui no post e deixe um blogueiro feliz! A sua opinião é muito importante pra gente 😉

4 Comentários

  1. Lindo lugar, adoraria conhecer, muita cultura e história.

Trackbacks for this post

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados * *

Translate »